Música - Sons para harmonizar a alma

Pesquisas recentes conduzidas com pacientes em condições de stress considerável concluíram que os grupos tratados com técnicas de relaxamento usando música clássica obtiveram vantagens muito grandes em relação à todas as outras técnicas usadas.

 

Em experiências mais antigas, feitas em animais sobre a influência da música clássica, chegou-se a conclusão de que as vacas, quando ordenhadas sob os efeitos dessa qualidade musical, produziam maior volume de leite. Nos Estados Unidos as ordenhadoras mecânicas já possuem aparelhos de freqüência modulada onde são transmitidas músicas desse gênero.

 

E é assim também com plantas e organismos vivos, que ao captarem as vibrações sonoras da música suave, parecem ordenar e harmonizar seus metabolismos de modo saudável, eficaz e criativo.

 

A história da Humanidade está cheia de acontecimentos que demonstram o poder curativo da música harmônica, a própria Bíblia descreve como Davi curou a depressão do rei Saul, tocando-lhe harpa.

 

Sons, ritmo, melodia e harmonia produzem música, assim afirmava um velho mestre, mas será só isso suficiente? Veja as sugestões de Benedicto Molinaro Corazza, um grande apreciador da música clássica, para seus momentos de relaxamento:

 

BEETHOVEN - no inicio de sua magistral Missa Solene, diz: "Do coração veio, ao coração se dirige" . Pode-se então concluir que não é o bastante elaborar as notas musicais, mas sim transmitir através dela algo inexplicável. Em sua Sonata ao Luar, de construção simples, sentimos a emoção lânguida e profunda, mas muito confortante.

 

VIVALDI - Na fabulosa sinfonia Pastoral, você poderá sentir a tranqüilidade do campo. Ao ouvir As quatro estações pode-se acompanhar os ciclos da natureza...

 

Na Primavera, os pássaros cantando, os zéfiros sopram suavemente e em doce murmúrio vão deslizando; no Verão os trovões, o colorido de uma pintura idílica de um rebanho de cabras que dormitam pela campina, ninfas e pastores dançam. O Outono chega e resseca as folhas das árvores, que caem suavemente pelo passar dos ventos, até chegar o Inverno, trazendo introspecção no momento em que a natureza pára para recomeçar...

 

BACH - eleva em dimensões cósmicas em sua magistral Missa em Si menor também, deste genial mestre, e entre incontáveis preciosidades, a Pequena Suite do livro de Anna Magdalena.

 

VERDI - percebe-se o desejo de liberdade e independência com o comovente côro em Va pensiero, sull`ali dorate (Voa pensamento, sobre as asas douradas) da ópera Nabuco.

 

MOZART - denota alegria em Uma pequena serenata noturna.

 

GRIEG - na Alvorada da suite Peer Gynt, os suaves raios de sol do amanhecer que brilham nas gotas de orvalho.

 

ALBINONI - Repousante, é o Adagio em sol menor.

 

MASSENET - nos proporciona ao mesmo tempo, concentração e relaxamento com a tranqüila Meditação da opera Thais.

 

SCHUBERT - quem ainda não sentiu a afetividade de Ave Maria?

 

TCHAIKOVSKI - faz flutuar com O lago dos cisnes.

 

WAGNER - em que Parsifal busca o Santo Graal. Temos Good Friday Spell, ato 3º, composição misteriosa, lenta. Ao ouví-la pela primeira vez parece não fazer sentido, mas se estiver com o propósito de "relaxar", deixe tudo de lado. Esqueça os problemas, as correrias, feche os olhos, comece calmamente a saboreá-la... Aos poucos tem-se a impressão que aquela lentidão melódica e harmônica vai se transformando em uma fina névoa que vai se elevando, e também a nós para planos superiores, transcedentais, sublimes. Estará flutuando sobre as nuvens.

 

Estas são pequenas indicações, gotas de um oceano que é a maravilhosa música clássica, cujos gênios compositores legaram para a eternidade...

 

Mas atenção para a Contra Indicação e Efeitos Colaterais:- Nenhum!

 

E SEJA FELIZ !